Pesquisar
Close this search box.
cedimp otimizado ezgif.com gif to avif converter

Copiloto de avião que caiu no Acre está em regime semiaberto e ainda não foi localizado

frame 388 1 733x522 1

Quatro dias após a queda do avião monomotor de prefixo PT-DFX no rio Tarauacá, interior do Acre, o ac24horas apurou que o homem apontado como copiloto do avião, Wesley Evangelista Lopes, está em regime semiaberto após condenação por tráfico de drogas e ainda não foi localizado para ser ouvido na Delegacia de Polícia de Tarauacá. A informação foi confirmada pelo delegado José Ronério.


De acordo com o delegado, apesar de o acidente ter acontecido em circunstâncias suspeitas, o piloto Pedro Rodrigues Parente Neto e Genésio Rodrigues de Olinda (passageiro) foram ouvidos como vítimas, da mesma forma que seria ouvido também Wesley Evangelista Lopes, se tivesse sido encontrado.


Segundo o piloto Pedro Rodrigues, o voo saiu do Espírito Santo com destino a Manaus, no Amazonas, passando pelo Acre. A investigação da Polícia Civil apura se o avião transportava drogas, ou se o voo era um reconhecimento para estabelecer nova rota para o tráfico. No entanto, não foram encontrados ilícitos na aeronave. “Não existe nenhum crime, nada foi flagranteado. É atitude suspeita, mas crime não é”, afirmou o delegado de polícia.


Desde que foi identificado após cair com uma aeronave no rio Tarauacá na última segunda-feira (20), Wesley Evangelista Lopes passou de sobrevivente de acidente aéreo a personagem central da história, que ganha tons de mistério embasado por centenas de páginas de documentos produzidos pelo Ministério Público Federal e pela Superintendência Regional da Polícia Federal no Amazonas, capaz de inspirar os melhores roteiros de Hollywood.


De acordo com o Ministério Público Federal em Tefé, no Amazonas, Wesley Evangelista foi o responsável por, em 2018, coordenar uma operação milionária de tráfico internacional de drogas que buscou entorpecentes das mãos de – segundo uma testemunha ocular – guerrilheiros das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) na Venezuela. A ação teria sido um sucesso se não fosse a perspicácia de policiais militares no pequeno município de Carauari, no Amazonas, que descobriram o esquema ao notar a presença e forasteiros na cidade e capturaram o avião com 458kg de cocaína durante uma parada técnica no município amazonense.


O ac24horas obteve acesso a um documento produzido e juntado aos autos do processo pelo Ministério Público Federal, que menciona um trecho do testemunho de um dos criminosos presos na operação de Wesley: “Ao chegarem na Venezuela, EDWIN (um dos presos na operação) relatou que foram recepcionados por diversos indivíduos de nacionalidade colombiana, fortemente armados, fazendo uso de uniformes, que aparentavam ser guerrilheiros das FARC, os quais os conduziram para um acampamento na selva. Já com o carregamento de drogas no avião, partiram para a Bolívia, porém tiveram que parar em Carauari para reabastecer, quando foram surpreendidos por policiais militares que logo localizaram a droga e efetuaram a prisão”, diz o documento do MPF.


Wesley Evangelista, no entanto, acompanhava toda a operação por ligações de um telefone via satélite e só pôde ser encontrado em agosto de 2019, sob acusação de liderar um esquema criminoso que funcionava assim: Wesley comprava aviões para o transporte de drogas, colocava esses aviões em nome de terceiros (laranjas) para ter o seu próprio nome afastado das consequências do crime. Durante a operação que o prendeu no sul da Bahia, que contou com a Companhia de Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Mata Atlântica, 88ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) e a Polícia Federal, 7 aviões e 1 helicóptero foram apreendidos.


Neste processo, Wesley foi condenado à prisão por 10 anos, 9 meses e 9 dias, em 24/11/2020. Na decisão, o magistrado do caso ainda ressaltou que o condenado não possui direito à substituição da pena por restritiva de direitos, por ausência de requisitos. Menos de 4 anos depois da condenação, o condenado está em liberdade.


Pedro Rodrigues garante ter sido contratado por Wesley (copiloto) para o voo, e disse ao ac24horas que não conhecia o passado criminoso do colega de profissão. “O que eu sei é que ele me contratou para fazer um planejamento e depois para fazer o voo. Esse negócio desse passado dele só fui descobrir hoje [quarta-feira, 22], não aceitaria fazer coisa errada e muito menos voar fora de padrão. Sou especialista em segurança de voo, foram anos de investimento e não iria jogar tudo fora assim”, concluiu.


O dono do avião, Fábio Bezerra, proprietário da Smart World que tem sede em São Paulo, disse ao ac24horas que o homem apontado como copiloto, Wesley, não é contratado da empresa e nem freelancer. “Não trabalha pra mim, nem para a empresa. A polícia tem que investigar. Se o piloto colocou outro copiloto lá, tem que esclarecer. A aeronave não estava carregando nenhum tipo de ilícito”.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Últimas Notícias