Weather Data Source: El tiempo a 25 días

Servidor do TCU no Acre acusado de agressão é exonerado de cargo

Receba notícias do Acre gratuitamente no WhatsApp do Ecos da Notícias.​

O servidor do Tribunal de Contas da União (TCU), Michel de Oliveira Bandeira, que ocupa o cargo de secretário do órgão federal no Acre, e que foi indiciado pela Polícia Civil pela acusação de agressão contra sua ex-esposa, Maria Disney Bandeira, voltou a se defender do suposto crime.


ENTENDA O CASO


Ex-esposa acusa advogado e servidor do TCU de agressão e reclama de omissão da OAB


A  defesa acontece após o TCU anunciar que Michel será exonerado da função de secretário e que vai passar por um processo administrativo. Em um relato enviado ao ac24horas, Michel conta que é vítima do que chama de “amor patológico” e afirmou que havia procurado ao máximo não expor a situação para preservar a reputação dos envolvidos, principalmente os filhos.


Michel volta a dizer que não agrediu a ex-esposa e que usou a força apenas para retirá-la do local e que admite ter, no calor da emoção, ter se excedido na força, mas que nunca teve a intenção de machucar a ex-companheira.


O servidor da TCU, que também é professor do curso de direito da Universidade Federal do Acre (UFAC), foi indiciado por lesão corporal pelo delegado Danilo César Almeida após conclusão de um inquérito, que já tramita na justiça.


Leia abaixo a defesa de Michel de Oliveira Bandeira:

Estava no interior do Amazonas desde o dia 27/12, visitando minha mãe. Assim, somente agora tenho oportunidade de me manifestar adequadamente sobre a matéria publicada no site ac24horas.com, dia 2 de janeiro, na qual minha ex-mulher me acusou, injustamente, de agredi-la. Procurei ao máximo manter esses fatos reservados, para preservar a reputação de todos envolvidos, principalmente minhas filhas. Mas a situação tomou um caminho que extrapolou os limites do aceitável, maculando severamente minha imagem pessoal e profissional. Nesse momento, fui comunicado que serei exonerado da função de secretário do TCU no Acre, e que será instaurado um processo administrativo para apurar o aconteceu. Estou tranquilo quanto a isso, pois tenho bastante evidências de minha inocência. Dessa forma, estou sendo obrigado a trazer à luz os fatos como realmente aconteceram. Primeiramente, cabe esclarecer que minha ex-mulher sempre teve problemas psicológicos.


Inclusive, antes de conhecê-la ela já havia tentado tirar a própria vida pelo menos uma vez. Nosso relacionamento de 23 anos passou por momentos conturbados. Ela sofre de “amor patológico”. É uma pessoa insegura, possessiva e possui um ciúme doentio. Vê coisas que não existem, já tendo chegado ao ponto de causar uma grande confusão com minha ex-cunhada,acusando-me de ser o pai de um de meus sobrinhos. No início de setembro, ela foi a uma macumbeira, em Senador Guiomard, onde “confirmou que eu tinha uma suposta amante”, o que era uma obsessão dela. Desde então nossa relação chegou ao limite. Além de tudo isso, ela é uma pessoa muito agressiva e não aceita ser contrariada. Chegou às vias de fato com as duas filhas várias vezes. Nesse momento, nossas filhas estão morando comigo, pois a mãe pediu medida protetiva contra elas, acusando-as injustamente por fatos inverídicos.


Várias vezes, em discussões nossas, saí de casa para evitar problemas maiores. Em algumas dessas situações (pelo menos três), ela tentou suicídio. Recentemente, ela esteve internada na ala psiquiátrica do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (HUERB), de 4 a 9 de setembro, porque tentou tirar a própria vida, ingerindo medicamentos controlados e bebidas alcoólicas. Nesse período, eu e minhas filhas estivemos ao lado dela, prestando apoio. Ela ficou afastada do trabalho de maio a novembro, por problemas psicológicos.


Referente aos fatos relatados na reportagem, que ocorreram no Palácio do Comércio, não se desenvolveram como foi reportado. Acontece que, de junho a setembro de 2023, minha ex-mulher foi ao meu trabalho uma dezena de vezes. Sempre procurava criar situações que me comprometessem. Numa dessas oportunidades, chegou a secar os pneus do meu carro, no estacionamento do prédio. Dia 25/09/23, quando já havia uma medida protetiva contra mim, ela foi ao meu trabalho, pela manhã, dizendo ter descoberto quem era minha suposta amante. Tive que sair do meu próprio local de trabalho para evitar confusão. Fui à 2a Vara de Proteção à Mulher de Rio Branco/AC, falar com a equipe psicossocial que trata do caso. Quando relatei que ela havia me procurado e estava me perseguindo no trabalho, mesmo com a medida protetiva, todos ficaram surpresos. Ainda no dia 25/09, voltei para o trabalho à tarde, porque pensei que ela iria me deixar em paz. No entanto, por volta das 14h, ela entrou aos gritos em minha sala, passando direto pela recepção, sem ser anunciada, como se fosse a dona do local e como sempre fazia. Quando tentei sair da sala, ela me segurou pelos braços. Então não tive alternativa a não ser retirá-la à força. Mas em nenhum momento a agredi. Os hematomas que ela apresentou foram causados por uma queda. Quando a empurrei para fora das dependências de meu trabalho, ela tropeçou e bateu a cabeça no chão. No calor do momento, excedi-me quando à força necessária para retirá-la. Mas fiz isso por extrema necessidade e sem intenção de machucá-la. Finalmente, em nenhum momento ela procurou tratar de questões relacionadas ao divórcio ou partilha de bens. Mesmo porque ficou no nosso apartamento recém adquirido, totalmente equipado, enquanto eu saí de casa praticamente apenas com a roupa do corpo, porque ela cortou com a tesoura todas as minhas camisas sociais, que eu usava para trabalhar. Sinto-me extremamente constrangido em relatar esses fatos. Peço desculpas a minhas filhas por tudo que elas estão passando. Pelos julgamentos e condenações antecipados, por não ter conseguido preservá-las. Tenho minha consciência tranquila e sei que tudo será resolvido no tempo necessário.


Michel de Oliveira Bandeira.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Últimas notícias

Últimas Notícias

plugins premium WordPress