Pesquisar
Close this search box.
1200 x 250 gif

Conheça espaços escondidos nos aviões que estão fora do alcance dos passageiros

tripulacao boeing
Tripulação em área de descanso de Boeing 777 Divulgação / Boeing

Existem algumas áreas secretas em aeronaves widebody (de fuselagem larga), onde os pilotos e tripulantes de cabine vão descansar durante voos longos.


Os passageiros não podem, em nenhuma circunstância, acessar esses espaços, que ficam bem escondidos.


Eles são chamados de compartimentos de descanso da tripulação e sua localização no avião pode variar.


Em aeronaves mais novas, como o Boeing 787 ou o Airbus A350, estão localizados acima da cabine principal, na parte superior da fuselagem.


Mas em aeronaves mais antigas, eles também podem estar no porão de carga ou simplesmente na cabine principal.


Eles vêm em pares: um para os pilotos, que geralmente fica acima da cabine e inclui dois beliches e um assento reclinável.


E outro para a tripulação de cabine, que geralmente contem seis beliches ou mais, colocadas acima da cozinha de popa, a seção na parte de trás do avião onde alimentos e bebidas são preparados e armazenados.


Uma imagem dividida de uma área de descanso da tripulação de cabine do Finnair A350. À direita está a entrada, que é acessada pela cozinha de proa / Divulgação / Aleksi Kousmanen/Finnair

Como um hotel cápsula

As companhias aéreas têm voz ativa na configuração das áreas de descanso da tripulação quando compram um avião.


Mas os principais parâmetros são definidos por reguladores como a Administração Federal de Aviação, nos EUA, ou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), no Brasil.


Os reguladores determinam, por exemplo, que as áreas de descanso da tripulação estejam “em um local onde ruídos, odores e vibrações intrusivos tenham efeito mínimo sobre o sono”, que tenham temperatura controlada e permitam que a tripulação ajuste a iluminação.


Os beliches (“ou outra superfície que permita uma posição plana para dormir”) devem ter 78 por 30 polegadas (198 por 76 centímetros) de tamanho – pessoas altas, cuidado – e ter pelo menos 35 pés cúbicos, ou um metro cúbico, de espaço ao seu redor.


Também deve haver uma área comum para troca, entrada e saída que forneça pelo menos 65 pés cúbicos de espaço.


O resultado final é um pouco semelhante a um hotel cápsula japonês: um espaço para dormir sem janelas, apertado, mas aconchegante, com tomadas e luz – além de todos os equipamentos de segurança necessários, como máscaras de oxigênio, luzes de cinto de segurança, interfone, entre outros.


“Eles podem ser bastante confortáveis”, diz Susannah Carr, comissária de bordo da United Airlines que trabalha em aeronaves Boeing, incluindo o 787, 777 e 767.


“Eles têm colchão acolchoado, saída de ar para manter o ar circulando e controles de temperatura para mantê-lo mais fresco ou mais quente, e recebemos roupas de cama, geralmente semelhantes às usadas na classe executiva em nossos voos internacionais. Eu gosto deles – mas também tenho apenas 1,70 metro de altura, então se você colocar uma pessoa de 1,80 metro ali, eles podem ficar um pouco apertados”, diz ela.


Mas eles são melhores do que um assento de classe executiva ou mesmo de primeira classe?


“Em alguns aspectos, sim, em outros, não”, diz Carr.


“Os beliches podem ser mais largos que os da primeira classe e para mim pessoalmente, dependendo da aeronave, consigo mais espaço para as pernas. Mas é um beliche, então você não tem necessariamente todo o espaço para estar na cabine e obviamente também não tem privacidade.


E se você é claustrofóbico, você pode definitivamente sentir isso ali – é um avião, então você não tem muito espaço para colocar as coisas. Eles certamente aproveitam cada centímetro lá em cima.”


Para chegar à área de descanso deste avião A330 SAS, a tripulação de cabine desce um pequeno lance de escadas

Escondido

As áreas de descanso da tripulação foram projetadas para não atrair muita atenção dos passageiros, independentemente de onde estejam:


“Um passageiro que passasse provavelmente pensaria que é um armário”, diz Carr.


“Não irei muito longe sobre como acessamos isso – é seguro, direi isso. Ocasionalmente, temos pessoas que pensam que é a porta de um banheiro e tentam abri-la, mas em vez disso, apenas mostramos o caminho para o banheiro.”


Atrás da porta geralmente há um pequeno patamar e uma escada que leva ao andar de cima, pelo menos nas aeronaves mais recentes.


“Os beliches são abertos nas laterais ou em uma das extremidades, para que você possa entrar – às vezes, brincando, me refiro a eles como ‘as catacumbas’”, diz Carr.


Em aeronaves um pouco mais antigas, como o Airbus A330, o compartimento de descanso da tripulação também pode ficar no porão de carga, de modo que uma escada levaria para baixo.


Mas em aviões ainda mais antigos, como o Boeing 767, as áreas de descanso estão localizadas na cabine principal e são apenas assentos reclináveis ​​com cortinas ao redor.


“São cortinas muito pesadas, bloqueiam a luz e uma boa quantidade de som, mas não se você tiver uma multidão enérgica no avião ou uma criança chateada.


Já tivemos passageiros abrindo as cortinas, procurando alguma coisa ou pensando que iriam para a cozinha, então não é necessariamente o melhor descanso.”


Não é de surpreender que a maioria dos comissários de bordo prefira os beliches superiores aos assentos com cortinas, mas o upgrade também é benéfico para as companhias aéreas, que não precisam abdicar do precioso espaço da cabine que pode ser usado como assentos de passageiros.


A ordem é por tempo de experiência do funcionário

Os tripulantes de cabine em voos de longo curso costumam passar pelo menos 10% do tempo de voo planejado nas áreas de descanso.


“Em média, eu diria que isso significa cerca de 1,5 horas por voo de longo curso”, diz Karoliina Åman, comissária de bordo da Finnair que trabalha em aeronaves Airbus A330 e A350.


Isso, porém, pode variar dependendo da companhia aérea e do horário do voo – o tempo de descanso pode se estender por até algumas horas.


“Como não temos área privativa na aeronave para almoço ou coffee break, esse período de descanso é extremamente importante e útil para nós”, afirma.


“Este é o momento do voo em que não atendemos as chamadas dos passageiros nem fazemos qualquer outra tarefa a não ser descansar e deixar os pés e a mente descansarem também. O objetivo deste descanso é manter uma mentalidade alerta e pronta durante todo o voo para que, caso algo inesperado aconteça, estejamos prontos para agir.”


Porém, nem todo mundo consegue dormir nos beliches.


“Normalmente, em um voo de ida de Helsinque, aproveito o descanso para ouvir algum audiolivro ou ler um livro, pois venho de casa e estou bem descansado. Mas num voo de chegada com destino a Helsínquia, capital da Finlândia, poderá passar noites sem dormir – por exemplo, tenho dificuldade em dormir na Ásia – e depois, durante o descanso, normalmente adormeço. Acordar desse sono às vezes pode ser uma experiência muito difícil se o seu cérebro mudar para o modo de sono noturno”, diz Åman.


“O jet lag pode ser complicado”, diz Carr.


“Às vezes consigo relaxar e dormir, outras vezes meu corpo simplesmente não está pronto para tirar uma soneca. Mas como estamos de folga, podemos usar nossos telefones para assistir a um filme ou ler um livro.”


As áreas de descanso são fechadas durante o táxi, decolagem e pouso, e são utilizadas com base em turnos supervisionados pelo gerente de cabine – ou comissário-chefe, no jargão da aviação – o tripulante de cabine que se encarrega de todos os demais e supervisiona as operações a bordo.


Essa pessoa costuma utilizar um beliche especial que fica próximo à entrada das áreas de descanso e tem acesso a um interfone, para se comunicar com os pilotos e o restante da tripulação.


“Tudo em nosso setor é baseado na antiguidade, desde o horário que você voa até as rotas que você pode realizar, até seus dias de folga”, explica Carr.


“Quanto mais tempo você estiver lá, melhores serão as vantagens e uma dessas vantagens é escolher o horário de intervalo da tripulação – seguimos por ordem de experiência, para que a pessoa mais senior no voo possa escolher se prefere o primeiro intervalo ou o segundo intervalo.


E então você percorre a lista até que todos tenham intervalos.”


A vantagem dos pilotos

A área de descanso dos pilotos, separada daquela dedicada à tripulação de cabine, fica próxima à cabine.


Dependendo da duração do voo, poderão estar até quatro pilotos a bordo, mas estarão sempre dois na cabine.


Portanto, a área de descanso dos pilotos possui apenas dois beliches (ou mesmo apenas um em aeronaves mais antigas), mas inclui um assento às vezes equipado com entretenimento de bordo, que a tripulação de cabine não tem.


A área de descanso para pilotos é perto da cabine / Divulgação / Boeing

Fora isso, os compartimentos são bem parecidos.


“Normalmente durmo muito bem lá”, diz Aleksi Kuosmanen, vice-piloto-chefe da frota da Finnair.


Kuosmanen voa em aeronaves A330 e A350 e diz preferir a área de descanso deste último, localizada acima da cozinha dianteira, e não na cabine principal.


“Tem cortinas muito boas, dá para ajustar muito bem a temperatura, tem ótima ventilação e é mais à prova de som. Você não ouve nada do que está acontecendo nas cozinhas, é muito tranquilo e confortável.”


Na próxima vez que você estiver em um vôo de longa distância, você pode querer manter os olhos abertos em busca de uma porta discreta na frente ou atrás do avião – se você vir um piloto ou comissário de bordo desaparecer dentro dela, você pode ter visto uma área de descanso.


Mas tenha em mente que os membros da tripulação não ficarão necessariamente felizes em lhe mostrar o local, já que o acesso dos passageiros às áreas de descanso é proibido:


“É um pouco como a Disney – mantemos a magia a portas fechadas”, diz Carr.


“Você não quer necessariamente saber que seus comissários de bordo estão dormindo um pouco, mas, ao mesmo tempo você ficará feliz quando aparecermos depois de nossa soneca, novos em folha”.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
ba banner portal microcredito 960x100px mai24

Últimas Notícias