Pesquisar
Close this search box.
banner ac qua e qui verde 19 e 20 de junho

Dólar hoje opera em alta com atenção a dados de inflação nos Estados Unidos

dolar reuters

Após iniciar o pregão em baixa, o dólar operava com alta frente ao real nesta sexta-feira (31), no retorno feriado de Corpus Christi, à medida que investidores digerem dados de inflação PCE nos Estados Unidos.


Em uma primeira reação aos dados, o dólar passou a cair com mais intensidade ante outras divisas fortes no exterior e ensaiou perdas maiores também ante o real. No entanto, as cotações se reaproximaram da estabilidade passaram a subir no Brasil perto das 10h, em meio à disputa para a formação da Ptax de fim de mês.


Qual a cotação do dólar hoje?

Às 10h19, o dólar à vista operava em alta de 0,28%, a R$ 5,225 na compra e na venda. Na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento registrava alta de 0,47%, aos 5.228 pontos.


O Banco Central fará neste pregão leilão de até 12 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 1° de agosto de 2024.


Dólar comercial

Compra: R$ 5,205


Venda: R$ 5,206


Dólar turismo

Compra: R$ 5,232


Venda: R$ 5,412


O que acontece com o dólar hoje?

O núcleo do índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) nos Estados Unidos avançou 0,2% em abril ante março. Com isso, o núcleo em 12 meses ficou em 2,8%. O número ficou levemente abaixo do esperado no mês, uma vez que a projeção LSEG era de avanço mensal de 0,3% e anual de 2,8%.


O núcleo do PCE é a medida de inflação preferida do Federal Reserve (Fed, banco central americano) e exclui variações de preços de alimentos e energia, considerados mais voláteis.


O índice cheio, que inclui essas categorias de preços, ficou em 0,3% na comparação mensal e em 2,7% na anual, em linha com as projeções LSEG de avanço de 0,3% mês a mês e de 2,7% ano a ano.


Na avaliação de Andressa Durão, economista da ASA Investments, apesar da desaceleração do PCE frente aos números do primeiro trimestre, o índice segue em uma taxa que ainda considera elevada, insuficiente para que o Fed se sinta confortável em iniciar o ciclo de corte de juros. “O Fed quer ver números ao redor de 0,20% nas próximas divulgações para garantir confiança na desaceleração da inflação”, comenta. “No nosso cenário, a inflação continuará rodando em taxas elevadas.”


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
banner ac24h feirão das carnes e frios

Últimas Notícias