Pesquisar
Close this search box.
1200 x 250

Curso de Libras fortalece inclusão na Escola Militar Estadual Tiradentes, em Rio Branco

imagem do whatsapp de 2024 05 14 as 11.42.20 70510a5b

Cerca de 30 pessoas, entre professores, funcionários e familiares, toda segunda-feira à noite, aprendem a Língua Brasileira de Sinais no Colégio Militar Estadual Tiradentes, em Rio Branco. A iniciativa é liderada pelo Centro de Apoio ao Surdo da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes e busca educar e promover uma inclusão mais efetiva no ambiente escolar.


Turma reúne cerca de 30 pessoas para o ensino de Libras. Foto: Mardilson Gomes/SEE

O capitão Railson Melo, gestor do colégio, que é também um dos alunos do curso, explica que a ideia surgiu de um diálogo com intérpretes e professores, após perceberem dificuldades de comunicação entre ouvintes e surdos que estudam na instituição. “Esperamos que a escola seja uma referência e que inspire outras escolas a promoverem a inclusão”, ressalta o capitão.


A professora responsável pela turma, Débora Nolasco, destaca a importância da iniciativa e da interação entre ouvintes e surdos: “A comunicação entre surdos e ouvintes, quando eles vão se aceitando, entendendo e interagindo, é muito importante tanto para os surdos quanto para tornar a escola verdadeiramente inclusiva”, afirma a professora, que também é surda, especialista em Libras e atualmente mestranda na área.


Família Borges está entre os alunos do curso de Libras. Foto: Mardilson Gomes/SEE

Entre os alunos beneficiados está Alex Fernando Borges e seus pais Anilson Borges e Gleiça Bezerra que estão aprendendo a Libras para se comunicarem melhor com o filho em casa. “Às vezes ele chega falando Libras e a gente fica sem entender, então surgiu essa oportunidade para nós aprendermos também. A Libras trouxe a inclusão que ele merece como qualquer outro jovem da idade dele”, diz Anilson.


Alex nasceu com uma doença degenerativa que causa perda bilateral da audição. Atualmente, o estudante, que cursa o terceiro ano do ensino médio, ainda retém um pouco da capacidade auditiva e está fazendo o curso para aprimorar a comunicação em Libras. “Eu me sinto bem. Talvez eu possa perder mais um pouquinho da audição e vou precisar dessa comunicação com meus pais”, considera.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
banner ac4h feirão das carnes e frios

Últimas Notícias