Pesquisar
Close this search box.
1200 x 250

A pedido de lideranças indígenas, Polícia Militar leva Proerd para as aldeias do estado

whatsapp image 2024 05 21 at 18.59.05
whatsapp image 2024 05 21 at 18.59.05

A Polícia Militar do Acre se prepara para expandir o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd) para as terras indígenas do estado. Inicialmente, o programa será implantado em duas aldeias do povo Huni Kuin, nas terras indígenas Igarapé do Caucho e Colônia 27, em Tarauacá.


Os trabalhos nessas duas aldeias devem começar ainda este mês. Na última sexta-feira, 17, foi feita uma reunião de estreitamento e apresentação de ações preventivas nos territórios indígenas. Paralelo a isso, haverá a participação da Patrulha Maria da Penha, com palestras e rodas de conversas sobre violência contra a mulher em suas diversas formas. Além disso, o Batalhão Ambiental continua o trabalho nessas comunidades na prevenção e combate aos crimes ambientais.


Reunião definiu implantação do Proerd nas aldeias do estado. Foto: cedida

A diretora operacional da PM, coronel Marta Renata Alves, destacou que a intenção é seguir com o programa para Feijó, ainda na primeira quinzena de junho, e chegar em Santa Rosa do Purus e Jordão. A tenente-coronel Ana Cássia é coordenadora estadual de Polícia Comunitária e Direitos Humanos Maria e administra a implementação desses programas no estado.


A coronel Marta Renata contou que o nome dado a essa fase do programa foi Proerd nas aldeias. “Esse é um programa da Polícia Militar, cujo objetivo é a prevenção e o combate às drogas. Então, permite que crianças estejam preparadas realmente e fortalecidas para dizer não a qualquer contato com o ilícito, sobretudo com as drogas. E, por meio dessa conscientização, é que a gente vê realmente o resultado. E nós identificamos que as crianças, adolescentes e jovens dos povos indígenas estavam carentes dessa atenção”, explica.


PM quer expandir Proerd para aldeias indígenas. Foto: Cedida

Ir a locais tão distantes só é possível com apoio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública do Acre (Sejusp), que disponibiliza o Centro Integrado de Operações Aéreas do Acre (Ciopaer).


Além disso, a coronel acredita que essa presença da PM vai fortalecer laços e fazer com que outros assuntos sejam abordados nessa comunidade. A secretária dos Povos Indígenas do Acre, Francisca Arara, disse que a ida do programa para as aldeias foi uma reivindicação das próprias lideranças indígenas.


Medida visa aproximar comunidade da Segurança Pública. Foto: Cedida

“A intenção é levar essa sensibilização sobre as drogas, sobre a situação de violência nos territórios indígenas, fazendo esse alinhamento com a Secretaria de Povos Indígenas. Nós estamos muito felizes, porque a nossa intenção é levar essa escuta para os territórios indígenas, para ouvir também das lideranças indígenas, dod jovens, o que eles pensam sobre isso. Esses órgãos são nossos parceiros que podem levar essa prevenção ao nosso território, para que todo mundo possa viver em paz”, enfatizou.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
1200 x 250 gif

Últimas Notícias