Pesquisar
Close this search box.
Weather Data Source: El tiempo a 25 días

Donos de fusca vão de Rio Branco à Cruzeiro do Sul em comboio para encontro de carros antigos

Receba notícias do Acre gratuitamente no WhatsApp do Ecos da Notícias.​

Donos de fuscas e outros carros antigos percorreram 640 quilômetros entre Rio Branco e Cruzeiro do Sul pela BR-364 e na noite deste sábado, 30, participaram do Encontro de Grupo de Carros Antigos na segunda maior cidade do Acre. O evento realizado na Praça Orleir Cameli, no Centro de Cruzeiro do Sul, atraiu os apaixonados pelas relíquias.


Com uma variedade de modelos expostos, desde fuscas e gurgels, jeeps, o encontro proporcionou uma viagem no tempo para os presentes, relembrando os primeiros veículos que chegaram à região.



Nilton Pontes, funcionário público e representante do Clube do Fusca, expressou a paixão compartilhada por muitos e destacou a resistência e o caráter lendário do fusca, um ícone que atravessou gerações e continua a encantar os apaixonados por automóveis. Ele enfatizou a capacidade do veículo em enfrentar longas jornadas.
“A gente gosta de fazer esses passeios para provar pra galera que o fusca tá aí, não é um carrinho pra fazer viagens curtas, é um carro pra fazer viagem longa também, pra passear com a família, que aguenta, estando bem revisado e cuidado direitinho, ele vai pra qualquer lugar. Deu para percorrer bem 640km no BR-364. A gente saiu de Rio Branco às 4 da manhã e 8 da noite a gente já estava em Cruzeiro do Sul uma viagem supertranquila, foi show de bola, só diversão. Todos os Fusquinhas chegaram muito bem, a gente veio na comitiva de 5 fuscas e todos aguentaram muito bem, foi sucesso. É a primeira vez que o Clube do Fusca faz um passeio para o Juruá. É um momento histórico para a gente” , destacou ele.


Antônio Francisco dos Santos Puyanawa, diz que gasta com o carro, mas a paixão pelo fusca faz valer à pena. Ele já está no terceiro carro dessa marca” É quase como cuidar de menino, gasta mais do que menino, a gente tem cuidado nele que nem tem cuidado com uma criança. Já tive três fuscas e esse veio de São Paulo. Botei na cegonha e trouxe até Rio Branco. É um fusquinha do meu tempo, do tempo da minha juventude. Não pretendo me desfazer dele”, pontua



Ludson Advíncula, pastor evangélico e também proprietário de um fusca, ressaltou a importância de passar essa paixão para as próximas gerações, preservando assim a história automobilística e os valores associados aos carros antigos.
“Eu amo o fusca desde a infância e só agora com 42 anos de idade foi que eu tive condições de comprar um. E a paixão vai passando de pai para filho, porque o João Guilherme, que é meu filho de 5 aninhos, ele é apaixonado pelo fusca. Se eu falar em vender esse fusca, ele fica bravo. Ou seja, esse amor também que você passou par o filho é uma forma de trazer um pouco da história automobilística, preservar um pouco dessa história também. É importante a gente passar nessa época que a gente vive hoje, passar as próximas gerações, as gerações que estão chegando, passar os valores, as coisas legais que nós já vivemos. Eu acredito que é uma maneira da gente preservar as coisas boas que a gente já viveu e que a gente ainda tem a oportunidade de desfrutar hoje”.


O prefeito de Cruzeiro do Sul, Zequinha Lima, também marcou presença, recepcionando os participantes e destacando a importância dos carros antigos na história e no desenvolvimento da cidade. Ele próprio é um entusiasta, mantendo um jeep há mais de oito anos e valorizando a tradição automobilística local.



“Eu também tenho meu Jeep, há mais de oito anos e já tive um Gurgel. No dia em que a minha garagem não tiver nem um pingo de óleo é porque não tá normal. Esta exposição é maravilhosa e uma oportunidade para muitas pessoas que conservam seus carros antigos. É bom porque as pessoas vêm aqui para recordar o passado”, disse Lima.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Últimas notícias

Últimas Notícias