Weather Data Source: El tiempo a 25 días

Estado decreta situação de emergência após aumento de casos de síndromes febris

Receba notícias do Acre gratuitamente no WhatsApp do Ecos da Notícias.​

O governo do Acre decretou em edição extra do Diário Oficial do Estado (DOE) no último dia 5 de janeiro, situação de emergência devido ao aumento no números de casos de síndromes febris ocasionadas pelas arboviroses e da superlotação das unidades de saúde do Estado.


O secretário da pasta, Pedro Pascoal, orientou a população e prestou esclarecimentos sobre as medidas tomadas pelo poder público para amenizar os impactos. Entre elas, estão planos de ação direcionados ao combate e uma possível prioridade na vacinação contra a dengue no estado, que tem previsão para começar em março.


O decreto nº 11.396, que estabeleceu situação de anormalidade, justifica, em números, a necessidade de manter essa deliberação válida por 90 dias.


Entre as síndromes que elevam a demanda nas unidades de saúde estão dengue, zika e chikungunya. O secretário esclareceu que o decreto é uma forma de planejar, alinhar e reforçar as ações de combate em todo o estado.


“Realmente foi uma ação planejada do governo, sob as orientações do governador Gladson Cameli, a qual nos permite estratégias de ação de forma menos burocrática. Já temos conhecimento que a sazonalidade, ou seja, o período em que a dengue tem o maior aumento de casos – de outubro a abril, ficou atrasada pela questão das secas que tivemos. Agora, quando entrou o mês de novembro, tivemos um aumento significativo. Dos 5.445 casos em 2023 que foram suspeitos, mais de 2,6 mil foram confirmados e ainda tivemos 29 pacientes cujo estado se agravou, mas felizmente nenhum óbito. Mas queremos trabalhar de forma planejada”, afirmou.


O decreto também serve, segundo o secretário, para alertar o Ministério da Saúde de que os casos aumentaram de forma significativa. “Esse decreto foi publicado para que fosse desenhado um plano de ação que já está pronto, com orientações a cada nível de gestão, municipal, estadual e da União. Com isso, queremos também garantir repasses mais efetivos”, destacou.


O atendimento diário tem sido de mais de 600 pessoas só com essas síndromes nas unidades de pronto atendimento, que são gerenciadas pelo Estado.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Últimas notícias

Últimas Notícias

plugins premium WordPress