Pesquisar
Close this search box.
970x250 (1)

Mulher com síndrome rara sofre com álcool no sangue mesmo sem beber; entenda

sindrome fermentacao intestinal
FG Trade/GettyImages

Seu hálito cheirava a álcool. Ela estava tonta, desorientada e fraca, tanto que um dia desmaiou e bateu a cabeça no balcão da cozinha enquanto preparava o almoço para seus filhos em idade escolar.


No entanto, uma única gota de bebida alcoólica não havia passado por seus lábios, um fato que a mulher de 50 anos de Toronto e seu marido contaram aos médicos por dois anos antes que alguém realmente acreditasse nela.


“Ela visitou seu médico de família repetidas vezes e foi ao pronto-socorro sete vezes em dois anos”, diz Rahel Zewude, médica especialista em doenças infecciosas da Universidade de Toronto.


Os médicos descobriram que os níveis de álcool da mulher podiam variar entre 30 milimoles por litro e 62 milimoles por litro — abaixo de 2 milimoles por litro é normal, afirma Zewude.


Níveis de álcool de até 62 milimoles por litro são extraordinariamente altos e seriam considerados fatais, disse Barbara Cordell, presidente de uma associação de defesa chamada Auto-Brewery Syndrome Information and Research, que fornece educação aos pacientes e realiza pesquisas sobre essa condição incomum.


Embora ninguém que ela conheça tenha tido níveis de álcool tão altos, muitas pessoas podem funcionar com níveis de álcool no sangue de até 30 milimoles por litro ou 40 milimoles por litro, disse Cordell em um e-mail.


“Conheço mais de 300 pessoas diagnosticadas com a síndrome da fermentação intestinal e temos mais de 800 pacientes e cuidadores em nosso grupo de apoio privado no Facebook”, disse Cordell, que não estava envolvida no novo caso.


“Parte do mistério dessa síndrome é como essas pessoas podem ter esses níveis extremamente altos e ainda assim estarem andando e conversando.”


Todos os médicos do pronto-socorro questionaram os hábitos de consumo de álcool da mulher de Toronto, e ela foi examinada por três psiquiatras diferentes de hospital, que concluíram que ela não atendia aos critérios para o diagnóstico de transtorno do uso de álcool.


“Ela disse aos médicos que sua religião não permite beber, e seu marido verificou que ela não bebia”, disse Zewude, que tratou a mulher e coautorou um relatório sobre o caso anônimo publicado na segunda-feira no Canadian Medical Association Journal.


“Mas não foi até a sétima visita que um médico do pronto-socorro finalmente disse: ‘Acho que isso parece síndrome da fermentação intestinal’ e a encaminhou para um especialista”, disse Zewude.


Fahad Malik, gastroenterologista dos Serviços de Saúde Unidos em Binghamton, Nova York, que atualmente tem 30 pacientes com o distúrbio, disse em um e-mail que ser tratado com descrença e ridículo é comum para os pacientes. Ele não estava envolvido no novo estudo de caso.


“A maioria dos pacientes foi desconsiderada como ‘bebedores secretos’ ou com condições comportamentais antes do diagnóstico”, disse Malik, que também é instrutor clínico assistente na Universidade Estadual de Nova York na Faculdade de Medicina Upstate.


Extremamente rara e frequentemente não reconhecida

síndrome da fermentação intestinal é uma condição extremamente rara na qual bactérias e fungos no trato gastrointestinal transformam os carboidratos dos alimentos do dia a dia em etanol. O primeiro caso conhecido ocorreu em 1946 na África, quando o estômago de um menino de 5 anos se rompeu por nenhuma razão conhecida. Uma autópsia encontrou seu abdômen cheio de um fluido “espumoso” com cheiro de álcool.


Desde 1974, 20 casos diagnosticados de síndrome da fermentação intestinal foram relatados na literatura médica em inglês, de acordo com uma revisão de abril de 2021Relatos adicionais de sintomas de fermentação intestinal ocorreram no Japão, onde a condição é conhecida como meitei-sho, ou “síndrome de auto-intoxicação alcoólica“.


A síndrome da fermentação intestinal ocorre quando certas espécies de bactérias e fungos superpopulam o microbioma intestinal de uma pessoa, basicamente transformando o trato gastrointestinal em um aparelho de destilação.


Os cientistas acreditam que o processo ocorre no intestino delgado e é muito diferente da fermentação normal do intestino grosso que fornece energia aos nossos corpos.


Embora vários patógenos possam contribuir, a maioria dos casos é devido ao crescimento excessivo de duas espécies de fungos: Saccharomyces e Candida. A Candida vive no corpo e na boca, trato digestivo e vagina, frequentemente dominando quando bactérias mais benéficas são mortas por uma ou duas rodadas de antibióticos.


Um relatório de julho de 2013 documentou o caso de um homem de 61 anos que teve frequentes episódios de embriaguez inexplicada durante anos antes de ser diagnosticado com um excesso intestinal de Saccharomyces cerevisiae, ou levedura de cerveja, a mesma levedura usada para fazer cerveja.


Muitas pessoas com a síndrome podem funcionar com uma quantidade enorme de álcool gerado metabolicamente em seu sistema, às vezes percebendo isso apenas quando têm problemas com a lei.


Um homem da Carolina do Norte, no final dos 40 anos, foi parado porque os policiais estavam convencidos de que ele estava dirigindo embriagado. Ele negou ter bebido, apesar de um nível de álcool no sangue de 0,2%, o equivalente a consumir 10 drinques por hora e cerca de 2,5 vezes o limite legal.


“Não é tão raro quanto pensamos, é (apenas) raramente diagnosticado”, explica Cordell. “Acredito que muitas pessoas podem andar por aí se sentindo confusas e simplesmente pensar que estão cansadas quando podem estar fermentando álcool.”


“Uma tempestade metabólica”

Existem fatores de risco para a síndrome da fermentação intestinal. Diabetes e doenças hepáticas podem desempenhar um papel, assim como doenças gastrointestinais, como a doença inflamatória intestinal e a síndrome do intestino curto, em que o intestino delgado é danificado ou encurtado, afirma Zewude. Pode até haver uma predisposição genética relacionada a como uma pessoa metaboliza o álcool.


“Mas todas essas coisas precisam colidir no momento perfeito”, ela disse. “É necessário que múltiplos fatores de risco interajam e criem uma tempestade metabólica para que essa síndrome surja em um indivíduo.”


Para a paciente de Zewude em Toronto, essa tempestade metabólica começou na metade dos seus 40 anos, quando ela começou a ter infecções urinárias recorrentes, cada uma tratada com uma rodada de antibióticos. As bactérias benéficas em seu trato intestinal começaram a morrer, permitindo que os fungos à espera assumissem o controle.


Essa quantidade de levedura precisa de combustível, que ela obtém dos carboidratos na dieta. Quando a mulher completou 48 anos, seu corpo estava transformando quase todos os carboidratos que ela comia em álcool.


“Se ela não comia muitos carboidratos, os sintomas não eram tão ruins”, afirma Zewude. “Mas então ela poderia comer uma fatia de bolo ou outra grande refeição com carboidratos, o que levava a um rápido aumento no nível de álcool. Esses eram os momentos em que ela poderia estar preparando o almoço para seus filhos e simplesmente adormecer.”


O tratamento para a síndrome da fermentação intestinal começa com um curso de fungicidas prescritos após uma biópsia ou colonoscopia identificar os patógenos específicos que colonizaram o intestino, diz Zewude. Começar com um fungicida de amplo espectro pode ser contraproducente.


“A resistência antimicrobiana é uma parte importante da síndrome, porque parte da razão pela qual as pessoas adquirem isso é por causa do uso frequente de antibióticos que desorganizam seu intestino”, explica. “É necessário começar de forma estreita, e então, se o paciente se tornar resistente a esse fungicida, tentar outros.”


Além de eliminar a levedura, espera-se que os pacientes sigam uma dieta extremamente restrita com baixo teor de carboidratos. “Nenhum carboidrato seria o melhor, mas é quase impossível fazer isso”, diz Zewude. Probióticos para reconstruir as bactérias benéficas também podem ajudar, ela disse.


Hoje, a mulher não está mais tomando medicamentos antifúngicos, mas continua em uma dieta muito baixa em carboidratos após ter uma recaída. Como a experiência de cada pessoa é diferente, é importante que os pacientes mantenham um contato próximo com seus médicos para gerenciar sua condição, afirma Zewude.


“Nesse caso, a mulher tem um marido muito solidário, que me ligou imediatamente quando ele começou a sentir cheiro de álcool no hálito dela novamente”, diz. “Para qualquer pessoa lidando com a síndrome, é importante que seu cônjuge, amigo, colega de quarto ou quem for, conheça os sinais e sintomas e se conecte com os médicos ou leve a pessoa ao pronto-socorro quando isso ocorrer.”


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
posto village ezgif.com gif to avif converter

Últimas Notícias