Pesquisar
Close this search box.
banner ac24h fds mercale

Empresários divergem sobre sociedade em empresa vencedora do leilão do arroz

whatsapp image 2024 06 10 at 18.25.28
De acordo com ele, o nome da loja é “Queijo Minas” porque “começamos vendendo queijo” Joelson Palheta/Arquivo Pessoal

Os empresários Ronaldo Aureliano Silva e Carlos Batista Braz deram à CNN versões distintas sobre a constituição societária da empresa Wisley A. De Souza, a maior arrematante individual do leilão de arroz importado promovido pelo governo federal na semana passada.


A empresa arrematou o maior lote do leilão para importar 147.303 toneladas e, para isso, receberá do governo federal o valor de R$ 736 milhões.


Ronaldo Aureliano se apresenta no Linkedin como proprietário da empresa TCI Modulares. Ele afirmou no sábado, em conversa gravada com a CNN, que a Wisley tem vários sócios e que ele seria um deles.


“Somos um grupo empresarial de várias empresas e vários sócios”, disse o empresário à CNN.


Questionado quais são os sócios, ele disse: “Aí você me desculpe, isso é questão da Receita Federal”.


Já o empresário Carlos Braz afirmou nesta segunda-feira (10) à CNN, também em conversa gravada, que o único sócio da empresa é o próprio Wisley de Souza.


“Sim (sobre Wisley ser o único sócio da empresa). O Ronaldo não é sócio da empresa”, afirmou. Braz se apresentou à CNN como vice-presidente da empresa.


Na sexta-feira, a oposição protocolou junto ao TCU uma representação apontando ter havido indícios de fraude no leilão.


Na petição, apontou suspeitas de que a Wisley seria uma empresa de fachada. A Advocacia-Geral da União (AGU) contestou a informação e disse à CNN que o governo se defenderia junto à Corte de contas.


No contrato social da empresa, consta apenas o nome do sócio-administrador Wisley Alves de Souza.


Na conversa com a CNN no sábado, Ronaldo Aureliano também disse que “Carlinho”, apelido de Carlos Batista Braz, seria seu sócio.


“(Carlos Braz) é meu sócio. E ele é sócio também da Ponto Norte que é a distribuidora, outra distribuidora nossa. E eu sou sócio da construtora e juntos somos um grupo econômico no qual os CPFs não se misturam por uma questão tributária. Simples”, disse.


E complementou: “Eu não sou obrigado a demonstrar poder econômico onde eu não preciso. O nosso grupo faturou R$ 400 milhões em 2023. Por que eu não dou conta de comprar R$ 700 milhões de arroz?”


Empresa venceu leilão
Braz afirmou que a Queijo Minas é o “xodó”. “Lá é um é um xodó da empresa, né? Ali que tudo começou há 17 anos e hoje é o Centro de Distribuição” / Joelson Palheta/Arquivo Pessoal

Braz disse hoje à CNN não ter sociedade com Ronaldo e que ele não é sócio da Wisley.


“O Ronaldo não é sócio da empresa. Está tendo algum equívoco e Ronaldo não é (sócio).”


Ele disse porém que a Wisley e outras empresas dividem um mesmo espaço em Macapá.


“Eu tenho umas empresas do meu nome, né? E a gente trabalha em conjunto, dividir o mesmo espaço, né? Num Centro de Distribuição”, disse.


Informado de que Ronaldo havia dito que são várias empresas e vários sócios e um grupo econômico, ele disse: “Isso não procede não.”


Depois disse que as empresas suas atuam junto com a Wisley em parcerias.


“Olha é um grupo econômico. É o seguinte. É a Ponto Norte né? Que está no meu nome. E umas empresas que estão no meu nome que trabalhamos em conjunto com a Wisley,. (…) Tem a Ponto Norte e tem uma empresa Norte Sul na Cidade de Santarém.”


CNN questionou a ambos onde estaria Wisley. Aureliano respondeu: “Hoje está no Amapá por uma questão estratégica de negócio”.


Na sequência, perguntou se Wisley é de fato uma pessoa física. Ele disse: “É uma pessoa, nosso sócio, amigo, parceiro”.


Braz disse que a relação dele com Wisley é antiga e que são amigos, mas que ele contraiu uma virose e aue por isso não podia dar a entrevista. “É um amigo de longa data, né? A gente tá junto deles 17 anos de idade. Chegamos juntos em 1997 no dia 2 de Janeiro aqui no estado do Amapá com intuito de trabalhar, né?”


CNN os questionou sobre o motivo da mudança do capital social dias antes do leilão, que aumentou de R$ 80 mil para R$ 5 milhões dias antes do leilão.


Eles disseram que não houve correlação alguma como leilão em si.


“Estava R$ 80 mil e no dia 24 de maio nós mudamos para R$ 5 milhões. Nem sabíamos dessa licitação. Tanto é que que no processo licitatatório no edital não pedia capital social mínimo. Por que eu mudaria? A outra empresa que ganhou tem R$ 100 mil de capital. Ela não pedia alteração. Nós mudamos por outras questões. O edital é claro: não pedia que mudasse o capital social.”


Braz disse que a mudança ocorreu devido a um pedido de empréstimo que a Wisley estava fazendo.


“A gente estava fazendo um empréstimo financeiro e nos foi solicitado isso aí”, disse. Ele completou dizendo ter sido uma “coincidência” a mudança ter ocorrido próximo ao leilão. “Foi só uma coincidência.”


CNN também os questionou sobre o fato de a sede da empresa ser uma loja de queijos em Macapá (fotos em anexo).


Aureliano respondeu: “Não é uma loja. Somos uma distribuidora. São cinco lojas igual aquela. Temos três galpões de distribuidora. Atendemos Belém, Santarém, Amapá inteiro. Não é só aquilo ali que estão mostrando. Somos um grupo grande. Temos mais de cem caminhões distribuídos no Norte todinho. Temos condições de comprar e distribuir esse arroz pro Brasil inteiro”.


De acordo com ele, o nome da loja é “Queijo Minas” porque “começamos vendendo queijo”. E concluiu: “O fato que vocês têm que entender é que nós somos um grupo, nós somos fortes. Não somos fracos. Não somos uma portinha”.


Braz afirmou que a Queijo Minas é o “xodó”. “Lá é um é um xodó da empresa, né? Ali que tudo começou há 17 anos e hoje é o Centro de Distribuição”.


“Complexidade logística”

No sábado, a assessoria da Wisley, contratada por Aureliano, divulgou uma nota dizendo que “a Wisley tem solidez e mais de 17 anos de experiência no comércio atacadista, na armazenagem e na distribuição em todo Brasil de produtos alimentícios, com um faturamento mais de R$ 60 milhões apenas no ano passado”.


Disse também que esse resultado “vem crescendo ano após ano, com a ampliação do leque de marcas alimentícias que a empresa representa e distribui no Norte do país, região que apresenta a maior complexidade de logística do Brasil”.


Por fim, informou que “a empresa lamenta que grupos com interesses contrariados estejam tentando afetar sua imagem e deturpar a realidade num momento em que é essencial o país encontrar formas de assegurar o abastecimento de arroz para a população” e que, “por isso, a Wisley está disposta a acelerar a importação de modo que o consumidor final não seja penalizado com o aumento que pode chegar de até 40% no preço do arroz aos brasileiros”.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
banner 970x250 (1)

Últimas Notícias