Pesquisar
Close this search box.
970x250 (1)

Inflação pode subir com impacto dos alimentos por chuvas no RS, diz Campos Neto

tagreuters.com2023binary lynxmpejb01la filedimage

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, afirmou nesta sexta-feira (24), que a inflação brasileira pode subir com o aumento dos alimentos devido aos efeitos das chuvas que alagaram a maior parte do Rio Grande do Sul e por outros motivos.


Em uma palestra no X Seminário Anual de Política Monetária, promovido pela Fundação Getulio Vargas, Campos Neto afirmou ainda que as expectativas de inflação têm aumentado e destacou o cenário fiscal, o ambiente externo e a credibilidade do BC como fatores que podem explicar essa desancoragem.

Campos Neto classificou esse movimento como “notícia ruim”  e disse que o BC “olha muito no detalhe os dados na margem” da inflação no Brasil.


Segundo ele, a autoridade monetária também tem acompanhado as projeções de cálculos de quanto custará a reconstrução do estado do Rio Grande do Sul, lembrando que algumas contas vão até 2% do PIB. “Isso tem influência no fiscal na frente”, lembrou.


Quanto ao crescimento da atividade econômica brasileira, Campos Neto disse que a expectativa do mercado é de expansão maior do que a prevista pelo BC.


O presidente comentou ainda a meta fiscal perto de zero, que faz pensar o que isso significa, gerando um questionamento maior sobre a convergência. Campos Neto mencionou ainda o histórico de taxas de juros reais no País, ressaltando que houve melhora recente.


“A taxa de juros real está em menor do que foi no passado. [O juro real] Foi muito maior do que os emergentes por muito tempo, agora está praticamente colado. A gente vê que, ao longo do tempo, o Brasil tem sido capaz de navegar com taxas de juros reais um pouco mais baixas”, apontou ele, acrescentando que o BC tem uma taxa neutra um pouco menor que a estimada pelo mercado.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
(ac) banner ofertas qua e qui verde atacale 12e13 06

Últimas Notícias