Pesquisar
Close this search box.
192882c8aaa53f9b4e234a4553bdad21

Equipe de bombeiros enviada ao Rio Grande do Sul retorna após trabalhar em resgates

whatsapp image 2024 05 29 at 11.23.03 1024x682
Equipe de salvamento do Corpo de Bombeiros enviada ao Rio Grande do Sul retorna, após trabalhar nos resgates. Foto: Diego Gurgel/Secom

“O cenário gaúcho foi totalmente devastador”, afirmou o capitão Marcos Corrêa, que liderou a missão que o governo do Acre entregou ao Corpo de Bombeiros Militar (CBMAC), de ir ao Rio Grande do Sul para prestar socorro às vítimas das enchentes que atingiram o estado desde o fim de abril, e que retornou ao Acre, na última terça-feira, 28.


A expedição partiu na manhã da quinta-feira, 9, e, além dos bombeiros, o Estado enviou embarcação, motor e equipamentos para resgate, atravessando 4.437 km e passando por seis estados, até chegar a Porto Alegre.


“Primeiramente gostaria de agradecer ao nosso governador, Gladson Cameli, que nos deu todo apoio necessário para que fosse possível realizar essa missão; e também ao comando do Corpo de Bombeiros, que nos escolheu para representar o Estado e a nossa corporação”, agradeceu o capitão Marcos Corrêa, atual comandante do batalhão de Tarauacá.


Capitão da missão, Marcos Corrêa é o atual comandante do batalhão de Tarauacá. Foto: Diego Gurgel/Secom

“Chegamos ao Rio Grande do Sul por volta das 23 horas do dia 13 e permanecemos no estado por dez dias, durante os quais conseguimos resgatar 57 pessoas e também nove animais, como também atendemos algumas ocorrências, além de prestar apoio humanitário, levando remédios, comida e água para as pessoas que não saíram de suas casas. Iniciamos o retorno no dia 23 e chegamos ontem [terça-feira], 28, no nosso estado”, contou o oficial.


A equipe do CBMAC também prestou auxílio à Polícia Federal no transporte de tropas e equipamentos, bem como apoio à imprensa no transporte aquático pelas áreas inundadas.


A equipe do CBMAC, que integrou as missões de resgate de pessoas e animais junto ao Corpo de Bombeiros do Rio Grande Sul, foi composta também pelos terceiros-sargentos Zinho Galvão, Ismael Medeiros e  Genilvan de Moura, todos especialistas em salvamento aquático, águas rápidas e ambientes colapsados.


Nos dois primeiros dias de trabalho, a equipe de militares contabilizou o resgate de 20 pessoas e três animais.


“O Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Sul nos direcionou para as ocorrências e ficamos à disposição do batalhão de busca e salvamento de Porto Alegre. Só na capital gaúcha, vimos um cenário em que muitas pessoas perderam tudo que tinham, realmente muito lamentável”, relatou o capitão.


“Também enfrentamos o problema de não conhecer a área nos primeiros dias, então fizemos uma adaptação para reconhecer bem o campo de operações, e depois também enfrentamos o problema das facções, então trabalhamos somente durante o dia, para evitar que a guarnição ficasse vulnerável, porque muitos estavam saqueando as casa”, explicou.


Equipe de salvamento do Corpo de Bombeiros Militar do Acre. Foto: Diego Gurgel/Secom

O capitão conclui seu relato informando que, quando saíram de Porto Alegre, o nível das águas tinha baixado: “As buscas continuavam, mas retornamos porque, segundo as Diretrizes de Direito Nacional de Resposta a Desastres, as equipes ficam de sete até dez dias, por questões físicas e psicológicas, geralmente ocorrendo a substituição dessas equipes de salvamento. No caso do Acre, houve apenas a desmobilização”.


Cenário no Sul

Segundo boletim publicado na manhã desta quarta-feira, 29, pela Defesa Civil do Rio Grande do Sul, devido às enchentes, o estado registra 471 municípios afetados, 47.651 pessoas em abrigos, 581.638 desalojados, 2.345.400 afetados, 806 feridos, 44 desaparecidos e 169 óbitos.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
970x250 (1)

Últimas Notícias