Pesquisar
Close this search box.
banner ac qua e qui verde 19 e 20 de junho

Delegado desmente IAPEN e diz que detento encontrado morto apresentava sinais de violência na cabeça

whatsapp image 2024 05 29 at 15.44.28

O presidiário Oceu Rocha Martins, de 41 anos, que foi encontrado morto em uma cela do presídio de Segurança Máxima Antônio Amaro, pode ter sido vítima de um homicídio na manhã desta terça-feira, 29, em Rio Branco,


Segundo o Delegado Cristiano Bastos da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o detento apresentava lesões na região da cabeça.


“Viemos aqui ao local do fato para buscar elementos que comprovem a causa da morte, também impossível autor. Identificamos que a vítima estava com uma pessoa dentro da cela, ele apresenta lesões que pode ser decorrentes do óbito, mas vamos aguardar ainda, o laudo pericial para descobrir a causa da morte e se foi consequência dessas lesões ou não. O suspeito que estava na cela junto com a vítima ele foi conduzido da Delegacia de Flagrantes (DEFLA), agora vai estar a cargo do delegado plantonista de lavrar ou não flagrante, mas a DHPP se fez presente para buscar inicialmente os elementos informativos que há no local. Oceu apresentava uma lesão na na região da cabeça, na região frontal lateral da cabeça, então a gente tem que aguardar o laudo pericial para para ver em que circunstância se deu essa lesão.” Disse o Delegado.


Por fim o Delegado Cristiano Bastos informou ainda que o presidiário Oceu Rocha fazia parte do rol de testemunhas da rebelião que aconteceu no dia 26 de julho do ano passado, que culminou na morte de 5 presidiários.


“O Oceu estava presente sim na investigação, ele foi ouvido por um dos delegados lá na DHPP e também foi ouvido no outro inquérito que apurava as circunstâncias, é prematuro ligar qualquer tipo de fato ainda a causa da morte dele, mas tudo isso vai ser apurado”. Concluiu o Delegado.


Em nota, a assessoria do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), informou que Oceu estava na cela com outro detento, e que quando o presidiário acordou já se deparou com o colega caído no chão, desacordado e chamou o Policial Penal. Ainda segundo a assessoria, no detento não foram encontrados sinais de violência.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
1200 x 250 gif

Últimas Notícias