Pesquisar
Close this search box.
192882c8aaa53f9b4e234a4553bdad21

Sócio da 123 Milhas diz à CPI que Decolar queria comprar a empresa

Em depoimento à CPI das Pirâmides Financeiras, nesta quarta-feira (6/9), na Câmara dos Deputados, o empresário Ramiro Júlio Soares Madureira, um dos sócios da 123 Milhas, afirmou que a companhia quase foi vendida para a Decolar, uma de suas concorrentes no mercado.


As declarações de Ramiro foram uma resposta à entrevista concedida pelo CEO da Despegar (dona da Decolar no Brasil), Damián Scokin, ao site Brazil Journal, na qual o executivo disse que a 123 Milhas era uma pirâmide financeira.


Chama-se de pirâmide financeira um esquema irregular e insustentável que gera dinheiro por meio da adesão desenfreada de novos participantes. Pode haver ou não a venda de produtos ou serviços.


“Só queria falar para o presidente dessa empresa (Decolar) que, algumas semanas atrás, ele não parava de ligar para tentar fazer algum tipo de aquisição com a 123. Isso está tudo documentado”, afirmou Ramiro aos parlamentares.


Em entrevista ao site, Scokin se disse surpreso com o fato de as autoridades do Brasil “tolerarem” o negócio da 123 Milhas relacionado a pacotes promocionais.


“Fico realmente surpreso como o mercado brasileiro tolerou isso por tantos anos. A Decolar foi severamente prejudicada. Um cara que vendia coisas que não ia entregar, podia gastar uma grana com marketing, por exemplo. Você vai em Guarulhos e o aeroporto está lotado de propagandas deles. Se você vende coisas que não vai entregar, é muito fácil fazer isso”, afirmou Scokin.


Em seu depoimento à CPI, o sócio da 123 Milhas afirmou que a agência on-line de viagens não é e nunca foi uma pirâmide financeira.


Além de Ramiro, a comissão também deve ouvir seu irmão, Augusto Júlio Soares Madureira, também sócio da empresa. Estão previstos, ainda, depoimentos de membros da diretoria.
Essa é a terceira vez que a CPI das Pirâmides Financeiras tenta ouvir os sócios da 123 Milhas. Nas duas primeiras, eles alegaram outros compromissos e não compareceram, o que levou a comissão a pedir condução coercitiva.


Fundada em 2017, em Belo Horizonte, a 123 Milhas faz a intermediação de compra e venda de milhas aéreas para os clientes. A empresa compra milhas acumuladas que não são usadas pelos clientes dos programas de milhagem das companhias aéreas e as utilizam para emitir passagens, vendendo pacotes ao consumidor final a preços competitivos.


Pelo site da companhia, é possível adquirir passagens de avião e ônibus, pacotes de viagens, diárias em hotéis e aluguel de carros. Em seu e-commerce, a 123 Milhas vende trechos de passagens aéreas que podem ser até 50% mais baratas do que os valores de tabela das companhias.


 


 


Por Metrópoles


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
23.1 digital master super banner pmrb rbo do futuro 2024 ezgif.com gif to avif converter (1)

Últimas Notícias