Pesquisar
Close this search box.
192882c8aaa53f9b4e234a4553bdad21

Isolado no Brasil e no mundo, Bolsonaro não vai à cúpula do G20

Jair Bolsonaro termina seu mandato à frente do Poder Executivo brasieiro de maneira melancólica. Derrotado nas urnas por Luiz Inácio Lula da Silva, à frente de uma ampla coalizão de forças progressistas, isolado politicamente no país e repudiado em todo o mundo, o ocupante do Palácio do Planalto não vai à cúpula do 620, que se realiza na próxima semana em Bali, Indonésia.


O Brasil será representado pelo chanceler Carlos França. “O encontro tem em sua agenda alguns dos principais temas internacionais, num grupo considerado como o diretório do planeta”, sublinha o jornalista Jamil Chade no UOL.


Completamente marginalizado no mundo, Bolsonaro se deu conta que nenhum outro governo desejava manter reuniões com ele e que o foco da comunidade internacional é mesmo com a posse de Luiz Inácio Lula da Silva. Nenhuma reunião bilateral havia sido agendada para ele, escreve Chade.


Isto atesta a irrelevância do governo Bolsonaro. De acordo com o jornalista, trata-se de um réquiem “de um governo que apequenou o Brasil no mundo”.


Para diplomatas estrangeiros, a ausência de Bolsonaro é uma mistura de alívio e de “pena” diante do colapso de uma política externa de um país que servia de referência ao mundo, ressalta Chade, ao apontar a condição de pária internacional do Brasil sob o governo de Bolsonaro.


Em 2021, na cúpula do G20, em Roma, Bolsonaro ficou no ostracismo, em sua condição de pária internacional


Brasil 247


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
ba banner portal microcredito 960x100px mai24

Últimas Notícias