Pesquisar
Close this search box.
banner 970x250

Alexandre de Moraes determina multa de R$ 100 mil a donos de caminhões que fechem vias

Foto: Carlos Vieira /CB/D.A Press

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, ontem, a aplicação de multa de R$ 100 mil por hora aos donos de veículos que estiverem bloqueando as vias públicas nas manifestações de radicais bolsonaristas que não aceitam o resultado das eleições. A decisão vale para todo o país e amplia aquela que havia sido decidida para o Distrito Federal — onde um grupo acampa em frente ao QG do Exército, inconformado com a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e pedindo “intervenção militar”.


Moraes classificou os atos de “criminosos”. “A persistência de atos criminosos e antidemocráticos em todo país, contrários à democracia, ao Estado de Direito, às instituições e à proclamação do resultado das eleições gerais de 2022 pelo Tribunal Superior Eleitoral, recomenda a extensão da decisão cautelar a quaisquer fatos dessa natureza em curso em todo o território nacional”, salientou.


A ordem do ministro estende, também, os efeitos de outro despacho, de 31 de outubro, quando ordenou que sejam identificadas as empresas e as pessoas que estiverem financiando as manifestações. Determina “que todos os veículos sejam identificados e que seja aplicada a multa horária de R$ 100.000,00, prevista na decisão de 31/10/2022 (doc. 2769), aos proprietários dos veículos, bem como identificadas as empresas e pessoas que incorrem no descumprimento da decisão mediante apoio material (logístico e financeiro) às pessoas e veículos que permanecem em locais públicos”.


Na mesma decisão de ontem, o ministro intima o diretor-geral da Polícia Federal (PF), da Polícia Rodoviária Federal (PRF); os governadores dos Estados e do Distrito Federal; os procuradores-gerais de Justiça; e os comandantes das polícias militares sobre as multas que foram aplicadas até agora e os procedimentos para a desobstrução das vias.


Depoimentos

O Ministério Público Federal (MPF) solicitou que a PF tome depoimento dos integrantes do comando da PRF sobre a conduta da corporação no segundo turno do pleito presidencial e nos estados. Em 30 de outubro, eleitores de vários pontos do Nordeste denunciaram operações nas estradas da região, atrasando o deslocamento para as sessões de votação.


Devem ser intimados a depor Silvinei Vasques, diretor-geral da PRF; Djairlon Moura, diretor de Operações; Luís Carlos Reischak Júnior, diretor de Inteligência; Wendel Benevides Matos, corregedor-geral e de Controle Interno; Marcos Pereira, do setor de gestão de Pessoas; e Wilmen Silva Vieira, do ramo de Administração e Logística.


Na última quinta-feira, a PF abriu inquérito para investigar a atuação de Silvinei e da PRF nos atos que bloquearam as rodovias federais nas horas que se seguiram ao segundo turno.


Correio Braziliense


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
posto village ezgif.com gif to avif converter

Últimas Notícias