Pesquisar
Close this search box.
banner 970x250 (1)

Adotada aos 13 anos, adolescente muda para Santa Catarina para morar com sua nova família

Não foi possível a manutenção dos vínculos com a família de origem, desta forma foi garantido o direito à integração com família substituta, conforme preconiza o Estatuto da Criança e do Adolescente.
“Eu já tinha visto em filme, mas realmente acontece: minhas bochechas tão doendo de tanto sorrir”, diz a adolescente acreana que foi adotada. Com a mochila pronta para partir e a expectativa de ver o mar, ela passou as últimas horas no Educandário Santa Margarida recebendo conselhos sobre ser obediente e estudiosa, o que ela continua a responder com mais sorrisos.
Foi a própria adolescente – que na época era uma criança de 10 anos de idade – que denunciou sua mãe na escola. “Ela pediu ajuda para a professora, porque a mãe batia muito nela. A situação era insuportável”, explica a assistente social, Alcinélia Moreira.
Então, o Conselho Tutelar verificou que realmente a estudante era vítima de maus tratos e negligência. A mãe permanece em um estado de dependência química e alcoólica, mesmo depois de ter passado um período internada na Associação de Parentes e Amigos dos Dependentes Químicos (Apadeq). Não se curou do vício e agora não possui endereço fixo.
Portanto, a juíza Rogéria Epaminondas autorizou a desconstituição familiar, em razão dos crimes de abandono (nutricional, educacional, psicológico e afetivo) e maus tratos. Contudo, depois de dois anos em acolhimento institucional, a adolescente terá a oportunidade de se desenvolver em um ambiente saudável.
A família adotante mora em Santa Catarina, assim para que esse encontro fosse possível, o prefeito de Rio Branco Tião Bocalom autorizou, por meio da Secretaria de Assistência Social, que a passagem aérea fosse concedida, possibilitando a primeira viagem de avião da adotada. O embarque ocorreu nesta sexta-feira, dia 10.
Trabalho Multidisciplinar
Para esse caso, a equipe técnica do Núcleo de Apoio Técnico da 2ª Vara da Infância e Juventude empreendeu um verdadeiro esforço com a busca ativa de pretendentes a adoção no Acre e fora do estado.
Deste modo, a coordenadora da Infância e Juventude, desembargadora Regina Ferrari, aproveitou a oportunidade para agradecer toda a equipe da unidade judiciária, especialmente as assistentes sociais: Alcinélia Moreira e Maralice Pereira.
De igual modo, foi reconhecido o trabalho humanizado e qualificado da equipe técnica do Educandário. “Todos cuidaram bem da adolescente e aqui ela teve o apoio para superar seus traumas pessoais”, enaltece Ferrari.
A felicidade atual contrasta muito com a condição da menina no início do acolhimento. “Ela era muito retraída e triste, aí foi sendo ouvida, acompanhada, passando pelas terapias e aos poucos foi se abrindo”, contextualiza a http://ecosdanoticia.net/wp-content/uploads/2023/02/carros-e1528290640439-1.jpgistradora do Educandário, Cássia Derze.

Desembargadora Regina Ferrari com a equipe técnica do Educandário e da 2ª Vara da Infância e Juventude (Foto: Miriane Teles/Comunicação TJAC)
Convivência
A adoção tardia se refere a crianças com mais de três anos de idade. “Um fato que me marcou muito foi o dia que ocorreu uma adoção de quatro irmãos, porque esse foi um momento muito difícil para ela. Eu a vi chorando pelos cantos por vários dias, até que ela me disse: tia eu nunca vou conseguir sair daqui, porque as pessoas só querem criança pequena”, compartilha Dannyelle Silva, assistente social do Educandário.
Mas esse não foi o desfecho da história. Inclusive, a adoção se deu por um motivo inusitado: “uma criança de oito anos de idade foi adotada e ela era muito amiga da adolescente. Então, a família fazia videochamadas aos sábados por causa dessa amizade. E depois de meses de contato, a família manifestou interesse de adotar a amiga que ficou no Acre”, conta Alcinélia.
Por ser adolescente, a equipe técnica estabeleceu um diálogo muito aberto para que ela compreendesse todas as atualizações processuais. “No dia que eu a chamei para falar sobre a possibilidade de adoção foi muito emocionante, ela repetia rindo: ‘eu não acredito, eu não acredito, isso é um sonho!’”.
Desde então foram dois meses de felicidade, expectativa e contagem regressiva.
Adoção Tardia
O Educandário Santa Margarida está atualmente com 20 crianças acolhidas, destas apenas duas são crianças de colo e é por isso que a Coordenadoria da Infância e Juventude empreende uma campanha permanente sobre a adoção tardia, para que as que estão disponíveis tenham alguma oportunidade de ter um lar.
A desembargadora Regina Ferrari comemora que pelo terceiro ano consecutivo ocorre uma adoção tardia no mês de dezembro e a criança pode passar o natal com sua nova família. Conheça essas histórias: Adoção Tardia em 2019 e Adoção Tardia em 2020.
Todas as crianças do Educandário escreveram cartas com seus pedidos de Natal e colocaram na árvore que fica na recepção da instituição. A adolescente queria ganhar um patins e esse pedido também foi realizado.


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
192882c8aaa53f9b4e234a4553bdad21

Últimas Notícias