Pesquisar
Close this search box.
192882c8aaa53f9b4e234a4553bdad21

Mais de 1 mil casos de violência sexual infantil são registrados no Acre desde 2022

1 violência sexual

O Acre registrou, de 2022 até este abril deste ano, mais de 1 mil casos de violência sexual contra crianças e adolescentes. Os dados foram apresentados pela Polícia Civil durante o Seminário Estadual de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes, ocorrido na última terça-feira (4). No evento, também foi apresentado o plano estadual de combate à violência com novas diretrizes.


Segundo dados do Departamento de Inteligência da Polícia Civil, em 2022 foram registrados 496 boletins de ocorrência de violência sexual contra crianças e adolescentes, enquanto em 2023 houve uma leve redução para 487 casos.


O levantamento aponta ainda que, de janeiro a abril deste ano, já foram contabilizados cerca de 116 boletins de ocorrência em relação aos casos de violência sexual infanto-juvenil. No total, 1.099 casos foram registrados.


Juliana de Angelis, delegada representante de políticas públicas da Polícia Civil, diz que o número de casos é elevado e pode ser subnotificado, o que faria com que, na realidade, a quantidade possa ser ainda maior.


“Existem quantas crianças que ainda são vítimas e não têm sua denúncia feita? Não têm o registro realizado? Então esse seminário é de suma importância para fortalecer a rede de apoio, que a polícia civil é uma instituição, é um membro, nós somos a porta de entrada, mas tem toda uma rede de apoio, várias instituições e órgãos atuantes para esse enfrentamento seja de maior celeridade, de maior eficácia, para que a gente possa minimizar os números do nosso estado”, afirma.


A delegada também falou sobre a importância da denúncia e do apoio às vítimas.


“Muita gente tem medo, então, por esse motivo, nós temos o Disque 100, que é um canal anônimo, a pessoa pode fazer a ligação pro Disque 100 anonimamente, essa denúncia chega à delegacia de polícia, que então vai instaurar um procedimento para a investigação dos crimes. Ao final, constatando que aquele agressor praticou aquele crime, ele é condenado pelo que ele fez com essa vítima. Então nessas delegacias a gente já tem uma estrutura diferenciada, com um corpo técnico também, além de policiais civis, nós temos psicólogos, assistentes social, para já dar esse acolhimento também, não aspecto só criminal, mas no psico-social também”, explicou Angelis.


 


Seminário foi realizado nesta terça-feira (4), em Rio Branco — Foto: Reprodução/Rede Amazônica

Seminário foi realizado nesta terça-feira (4), em Rio Branco — Foto: Reprodução/Rede Amazônica

 


 


 


Fonte: G1 Acre


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
posto village ezgif.com gif to avif converter

Últimas Notícias