Pesquisar
Close this search box.
banner 970x250 (1)

Para maioria dos brasileiros, pandemia acaba quando 75% da população for vacinada

Foto: Ed Alves/CB

Quando a pandemia vai acabar? Essa pergunta está presente no cotidiano de todos os moradores do planeta desde quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a infecção tempestuosa da covid-19 como uma pandemia, em março de 2020. Até aqui, não há uma resposta exata, mas há palpites diversos. Para a maioria dos brasileiros (24%), por exemplo, o maior indicador de que a pandemia está no fim é a vacinação completa de 75% da população do Brasil.


Esse também é o indicador mais confiável para sinalizar o fim da pandemia para a maioria dos 22.033 adultos (20%) de 33 países entrevistados pela pesquisa Covid-19: A pandemia um dia acabará?, realizada entre 22 de outubro e 5 de novembro — no Brasil foram 1 mil entrevistados. O estudo foi publicado nesta sexta-feira (10/12).


Os entrevistados tiveram que escolher entre oito opções para responder a pergunta “Quais indicadores você pensa ser os melhores para mostrar que a pandemia da covid está terminando e as principais restrições podem ser suspensas no seu país?”.


Além de cinco hipóteses, os participantes também poderiam optar por “outro”, se a pessoa pensasse em uma nova forma de indicador; ou também dizer que “a pandemia já está no fim”. Ou, ainda, afirmar que não sabe — e não concorda com os outros indicadores apresentados.


O resultado foi de que não há um consenso majoritário sobre a resposta. Ao contrário, as escolhas são divididas quase que proporcionalmente. A bandeira verde mais bem vista, de que a pandemia estará perto do fim quando 75% da população estiver vacinada, foi mais apontada por cidadãos de sete países: Peru (37%), Turquia (35%), Suíça (32%), Colômbia (31%), Romênia (31%), Argentina (29%) e Índia (28%).


O segundo indicador com maior credibilidade para os entrevistados é o interrompimento completo da transmissão do novo coronavírus (19%); afirmação mais acreditada pela China (30%) e pela Itália (27%). O Brasil também apresenta alto índice de confiança neste indicador: 24% dos participantes apontaram ele como o sinalizador ideal.


Já a normalização do funcionamento de hospitais é o indicador mais confiável para 17% dos entrevistados. Para eles, a volta das rotinas hospitalares regulares, sem escassez de profissionais ou equipamentos de saúde, por pelo menos um mês, é o verdadeiro sinal de que a pandemia está no fim.


Suécia (29%), Holanda (28%) e Cingapura (27%) são os três países que acreditaram nessa afirmação acima da média das outras nações.


O registro de menos de 10 novos casos por dia para cada 1 milhão de pessoas (12%) e de menos de duas mortes por covid por 1 milhão de pessoas por semana (7%) são os outros indicadores mais confiáveis.


“Não sei” e “A pandemia já está no fim” apresentam alto índice de engajamento global

Uma das opções de resposta à pergunta sobre os possíveis indicadores do fim da pandemia registrou um alto índice de engajamento e pode explicar porque alguns dos países que mais apontaram essa afirmação estão, no momento, com uma nova onda de casos de covid-19.


Cerca de 14% dos entrevistados não souberam dizer qual seria um indicador que revelaria a vitória sobre a pandemia. Em cinco nações do globo, a média de escolha dessa resposta foi mais alta que as outras: França (28%), EUA (23%), Alemanha (22%), Grã-Bretanha (22%) e Canadá (24%).


Na contramão da maioria dos cidadãos do globo, esses 14% não acreditam que o alto índice de vacinação, o interrompimento da transmissão do vírus e a normalização do funcionamento dos hospitais são bons indicadores de que a pandemia está prestes a acabar.


Deve ser por isso que três dos cinco países dessa lista enfrentam momentos de tensão. A França, por exemplo, registrou, em 1º de dezembro, o maior número diário de casos da doença desde abril: 47,17 mil infecções em 24 horas. O governo local informou que o número de não vacinados internados nos hospitais franceses era dez vezes maior do que o de vacinados.


O mesmo ocorre com a Alemanha, que, nesta quarta-feira (8/12), teve o maior número de mortes diárias pela doença desde fevereiro. A multidão de negacionistas que se recusaram a se vacinar contra a covid-19 levou ao governo alemão a instituir um lockdown nacional para esta parte da população. Nos próximos meses, não vacinados estarão proibidos de acessar todos os negócios e estabelecimentos do país, exceto o que for estritamente essencial.


Os Estados Unidos também vive momentos de tensão: na quarta-feira (8/12), registrou a maior média desde setembro deste ano, com 117 mil casos nos últimos sete dias. Foram constatadas, também, 1.066 mortes neste período. Em julho, a média sera de 200 óbitos.


Apesar de ter um alto índice de vacinados com duas doses (60,4%), o país norte-americano enfrenta forte resistência de negacionistas e pessoas de extrema-direita, que se recusam a tomar qualquer dose do imunizante.


Fonte: Correio Braziliense


Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
cedimp otimizado ezgif.com gif to avif converter

Últimas Notícias